sábado, 29 de agosto de 2009

as crianças de hoje...

Fui tomar café na padaria. Quando vou pagar, pai e filho (de uns 4 ou 5 anos) estão do outro lado do balcão do caixa. A mãe do garoto está perto de mim. Rolou um diálogo:

GAROTO - Mãe, posso levar quantos chiclete?
MÃE - Um para você e um pra sua irmã.
GAROTO - Mas se eu levar um sabor que a Helena não gosta, aí ela vai dar o dela pra mim.
MÃE - (Silêncio).


Fiquei surpresa, o moleque pequeno, nem falava direito.
Taí...eis uma pessoa que sabe maquinar as coisas desde cedo.
Sinistro!

domingo, 23 de agosto de 2009

Por que as pessoas evitam dizer que estão namorando?

A situação acontece quando você, conversando com algumas pessoas que ainda não conhece muito, evita a qualquer custo dizer que está namorando, que tem namorado(a). Ou citar algo que se refira ao companheiro(a). Não importa se voce ta conversando com um homem ou uma mulher. (Quer dizer, na verdade, importa, só que o interesse é outro – pode ser pegação ou simplesmente dar umas boas risadas com um papo bacana, informal).

Não sei explicar direito. Mas há um certo senso comum de que, se você, ainda que não tem nenhuma segunda ou terceira intenção com a outra pessoa, começa a conversar com alguém numa festa, num evento qualquer, a partir do momento em que deixa escapar que tem namorado(a), o tom da conversa muda. Muda sim. Fica mais formal. Puxa vida, não dá pra manter a conversa? (esses homens, quando verem que não tem chance, não tentam nem uma amizade, so quer papo se ver que rola alguma coisa).

É, não tem jeito. Até amigas que conheço e que são mega-apaixonadas pelos namorados reconhecem que evitam citar o parceiro nas primeiras conversas. Elas já disseram que isso ocorre normalmente quando estão em algum lugar, trocando uma idéia legal com alguém. E a conversa tá boa, o papo legal. Ela não quer, de maneira alguma, se pegar com o cara. Isso nem passou pela cabeça dela em nenhum momento. Mas eis que, de repente, se ela solta um “ah, meu namorado é isso”, “ah, meu namorado aquilo”, a conversa muda de tom. Na hora. Pode reparar. Não vai dar dez minutos e o camarada vai vazar da rodinha. “Vou ali pegar uma cerveja e já volto”. Volta é nada. Vai é começar outra conversa com outra mulher em outro canto, ser “introduzido” a novas pessoas. Mesmo que não esteja na guerra louca, o sujeito só vai voltar à primeira rodinha se o papo lá for chato ou ainda mais formal.

Eu aqui, sem nada pra fazer, tava pensando nesse “fenômeno”, que faz as pessoas, mesmo as mais apaixonadas, só se sentirem à vontade para falar do companheiro(a) depois de um tempo de conversa. Lembrei de quando eu tinha orkut, é como você mudar o seu status de “sem status” ou “solteiro” para “namorando”. Na hora em que as pessoas sacam que você tem namorado(a), elas te tratam com mais distância e menos intimidade. E isso é muito chato para o início do estabelecimento de qualquer relação, ainda que seja de amizade.

Sair espalhando pelos quatro cantos, para desconhecidos que acabam de ser apresentados, que está comprometido é desnecessário. Fica até incômodo e enfadonho. Aí você vai ter que ralar mais nessa roda de conversa para deixar o papo mais relaxado, bacana. Mas como explicar que “esconder” o namorado não é uma atitude suspeita? Difícil, muito difícil. Mas tudo tem um timing. Tanto é que, depois, mais tarde, quando você está no meio de amigos que já te conhecem e sabem que você namora, não há esse problema. A conversa flui sem essa de ter que falar o seu estado civil.

Porém, o fato é: ninguém merece ser apresentado a uma pessoa que não pára de falar no namorado(a), ainda que você não tenha interesse nela. Quem namora sabe. Quem não namora também. Ninguém combina, mas você, se tiver um pouco de bom senso, só vai soltar a verdade sobre seu comprometimento depois que tiver à vontade com a galera em volta. E ainda assim, só se isso for pertinente. Claro que posso estar sendo ingênua, porque tem muita gente que não fala que tem namorado(a) porque ta afim de uns pega, mesmo estando comprometido. Mas é o que penso. Sei lá. É só o que penso. E percebo. Nada além disso. Bobagens ne... hehe


Mas é isso aí, beijomeliga...


terça-feira, 18 de agosto de 2009

Será que é falta de assunto?



Olá pessoas...


Hoje, vou escrever mais que uma análise, é como um protesto.

Eu queria entender o porquê da falta de conteúdo das pessoas. É, só pode ser a inexistência de conteúdo, SÓ PODE. Ou melhor, o gradativo desaparecimento deste. É a única e convincente explicação que encontrei, mesmo que eu mesma não acredite... hehe


Ontem, depois do jantar, cedo ainda, saí pela rua em busca de algo pra fazer, dei umas voltas pra ver se encontrava alguns amigos por ae (sempre encontro). Acabar com o tão monótono e inevitável tédio de segunda-feira a noite. Encontrei uns conhecidos na rua, na praça, e sentei com eles . O lugar não estava lá essas coisas, mas as pessoas são legais e a noite estava agradável, com um ventinho convidativo. Bem melhor do que ficar em casa. O que me decepcionou verdadeiramente não tem nada a ver com o tédio, ou ainda com a noite. E sim com o assunto das pessoas. Com uma única exceção, todos que encontrei falavam de corpos. O negócio nem é ficar falando de homens/mulheres, especificamente, mas ficar falando de corpos (perna, bunda, peito, etc). Tantos assuntos: futebol, política(nem tanto), idéias, países, idiomas... tanta coisa interessante pra falar, e estavam falando justamente de corpos?Aff


Fiquei um tempinho la, com a mão no queixo, tive até de conter o riso. Não sei se sou tão diferente deles assim, mas não sou de ficar observando falando ou admirando corpos sarados, tanquinhos e similares; apesar de que em Imperatriz não tem tanto homem bonito assim. Isso não é importante, ao menos ao meu ver. Gosto de pessoas que tenham algo interessante a me dizer. Não ficar falando de cabelo, da roupa, ou do corpão sarado. Coisas óbvias, notórias e vistas por todos, EU FAÇO QUESTÃO DE NÃO VER.

Assim como existem pessoas que vivem exclusivamente para a promiscuidade, existem os trates totalmente desprezíveis. Aqueles que, quando notam uma mulher no pedaço, na hora já querem demonstrar interesse, seja com uma buzinada, um assovio, ou uma cantada daquelas podres e velhas. Pra eles pouco importa quem é a mulher, so querem saber de mostrar interesse. Inúteis... Como se com um assovio eles fossem ganhar a gata.

Além disso, ainda me encanto com a inutilidade. Quando digo "me encanto", sou irônica, reparem. Aquelas fotos (mal e porcamente) editadas, de dondocas hiper maquiadas, que não tem mais nada pra fazer. Dá impressão de que elas vivem de poses em frente ao espelho. Aí eu não contenho meu riso. Impossible. HAHAHA.

É, a cada dia as pessoas estão menos interessantes. Não me cativam, não me apaixonam. Assuntos superficiais, atitudes mal pensadas e inúteis, programas sem graça, e nada que possa nos levar pra frente. Nada de nada.

Enfim, entre tantas outras futilidades, resta a diversão. Não quero que parem de tirar fotos em frente ao espelho, não quero que parem de andar pela rua como se estivesse em Hollywood, não quero que parem de falar dos corpos como alegorias, não quero que parem de assoviar na rua, não quero que acabe, não quero o conteúdo das pessoas, de jeito nenhum.


Acabaria com a minha diversão diária, acabaria com as diferenças, acabaria com a graça. Só queria entender o porquê de tanto besteirol, e entender a acelerada velocidade com que o conteúdo está desaparecendo. Só espero que não desapareça totalmente. Enquanto existirem pessoas, como a única que não falou de corpos ontem, eu fico tranqüila. Dei tchauzinho pro pessoal e vazei de lá... lembrei que tinha CQC e voltei depressa pra casa.


Isso aí galera, depois volto, to com mais tempo agora, sabe aquela 'batida meio samba' do Gabriel o pensador? pois é... hehe

Até mais, boa semana

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

A vida do jeitinho que ela é







Tudo bem..o que os homens mais querem é uma garota legal, sexy, sarada, bonita, inteligente e ‘boazinha’...

Muito fácil falar, pois quando aparece uma assim, de bandeja, a primeira coisa que o cara pensa é: Oba, me dei bem. Fica com ela uma vez, duas, três... Começa a pensar que essa é a mulher que sua mãe gostaria de ter como nora. Se der um relacionamento, vai ser uma relação estável. Ele vai buscá-la na aula, vão ao cinema, num barzinho, vai ter sexo toda semana, ou todo dia... É uma relação tranqüila, são amigos, amantes, companheiros...

Tudo básico, até virar uma rotina sem graça..Logo ele vai olhar os caras bem vestidos e bem humorados indo pra noite arrasar com a mulherada e vai morrer de inveja. Vai sentir falta de dar aquelas cantadas infalíveis na noite, falta de dar umas olhadas pra uma gata, ou de dar aquela olhada mais provocativa na pista...


Daí pensa: Acho que não estou pronto pra isso, pra me enclausurar para o resto da vida nesse relacionamento. E a boa menina se transforma numa MALA, e aos poucos vai surgindo um nojo dela, uma aversão. Quando vê o nome dela no celular, não dá vontade de atender...JÁ ERA. Daí aquela promessa de vida estável vai por água abaixo, se a menina não se dá conta, ele começa a ser grosso, muito grosso. E a pobre menina pensa: O que eu fiz?? Coitada, ela não fez nada, a culpa é dele mesmo...


Aí, ele volta pra vidinha, que odiava até semanas atrás. Não vê a hora de sair e arrasar na noite...ou pegar aquela mulher gostosona que sempre quis..

GRANDE DESILUSÃO. Vai chega em casa depois da balada, sozinho e fica tentando descobrir porque você não está satisfeito. De repente foi porque a menina da night, a linda, gostosa, ficou com ele, mas nem sequer pediu o número do telefone.

FRUSTAÇÃO. Daí, por mais que não queira, pensa na sua menina boazinha que deixou pra trás...ela podia ter seus defeitos mas era uma garota legal, de confiança...que ficaria ao seu lado te dando valor; e se lamenta por não estar com ela agora.

Enquanto isso a boa menina, chateada, custa a entender o que ela fez pra ter afastado dela...daí essa dúvida vira ANGÚSTIA, que vira RAIVA. Daí, a menina manda tudo a PUTA QUE PARIU!!! (desculpa o palavrão)


Não quer mais saber de nada, só de sair, zuar, dançar!! Resolve não se envolver mais, pra não sair magoada, chateada..Muito bem!!! O tempo passa e o cara continua na mesma..volta a reclamar da vida e das mulheres..Diz que elas só querem as coisas com homens cachorros e não estão nem aí pros ‘sérios’ (no caso, ele)...ou será que eles é que foram os cachorros ????


Elas estão/são assim por culpa de quem?. A mulher da night de hoje, era a boa menina de outro homem ontem, e assim sucessivamente...Provavelmente essa ex-boa menina, deve estar enlouquecendo a cabeça de outro homem por aí..

É, não tem mais jeito, 'vc' a perdeu pra sempre, ela virou uma mulher muito diferente do que era antes, está mais atraente, misteriosa.

Voce a viu na balada... e ela???


Nem olhou pra vc... e estava mais linda do que nunca...


sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Dois sapos

Vivia um sapo no fundo do poço.Lá nascera, lá vivera, de lá nunca saíra - e lá esperava morrer. O seu horizonte era de um metro e meio de largura - o diâmetro do poço. A profundidade de sua vida era de três palmos - como as águas do poço.

Para além da borda do poço - nada mais existia para ele...
Certo dia, tombou no fundo do poço - um sapo de outras regiões.. Vinha de longe, de muito longe, das praias do mar...
Com secreto rancor, viu o primeiro invadido pelo segundo o seu espaço vital. Mas, como o segundo era mais forte, resolveu o primeiro não o guerrear - e limitar-se à defesa passiva...


Depois de três dias de silêncio recíproco, travou-se entre os dois batráquios o diálogo seguinte:

- Donde vens tu, estranho invasor?
- Das praias do mar, ignoto ermitão.
- Que coisa é o mar?
- O mar?... O mar é uma grande planície d’água.
- Tão grande como esta pedra em que pousam minhas pernas gentis?
- Muito maior.
- Tão grande como esta água que reflete o meu corpo esbelto?
- Maior, muitíssimo maior.
- Tão grande como este poço, minha casa?
- Mil vezes maior. Milhares de poços destes caberiam no mar que eu vi. O mar é tão grande que sempre começa lá onde acaba. É tão grande que todo o céu cabe nele, e ainda sobra mar. Todos os sapos do mundo, pulando a vida inteira, não chegariam ao outro lado - tão grande é o mar à cuja margem nasci e vivi.
- Safa-te daqui, mentiroso! - exclamou o batráquio do poço. - Coisa maior que este poço não pode haver! Mais água que esta água é mentira!...

***

Desde então viviam os dois em pé de guerra, no fundo do poço.
Não diz a história se algum deles, super-sapo, venceu nessa luta feroz...
Nem diz se um deles, batráquio genial, convenceu o outro da verdade das suas idéias...
Consta apenas que, desde esse tempo, viveram no mundo seres que só crêem em si mesmos...
Seres que sabem tudo o que os outros ignoram...
Seres que tacham de loucos os que afirmam o que eles não compreendem...
Seres de tão vasto saber que consideram desdouro aprender...
Não fales, meu amigo, em mares - a quem mares não viu!
Deixa viver no poço - quem no poço nasceu!
Horizonte de metro é meio, água de três palmos de fundo, pedra de meio palmo - que mais querer o batráquio dum poço?
Deixa ao ignorante a sua feliz ignorância!
Não fales em mares a quem para um poço nasceu!
Cada qual com seu igual...

( H. Rohden)


Pra quem vive dentro de um poço e não acredita que fora dele existe um mundo, cheio de coisas pra viver, ares limpo pra respirar, amores pra viver... Se liga, se queres viver aí, viva, mas não prenda ninguém contigo. Acorda pra vida!