sábado, 31 de outubro de 2009

Amigos, amigos. Destinos à parte

Nos meus tempos de criança, quando eu ainda brincava de boneca e queria ser veterinária, ganhei de uma coleguinha um cordão cujo pingente era a metade de um coração, a outra metade estava com ela, e havia grafada a frase "amigas para sempre".

Acreditem meus caros, até hoje tenho o cordão, mas não sei o paradeiro da minha amiga para sempre.

Talvez venha a ser assim com todos os meus atuais melhores amigos, amigos e principalmente conhecidos. Sim, digo atuais, porque sempre tem aqueles que vem e vão. E nesse vem e vai eu fico me perguntando: Será que continuaremos nos comunicando? Será que nossos filhos serão também amigos? Ou será que nos comunicaremos por algum tempo e depois de tão ocupados nem vamos mais lembrar um do outro?"

Infelizmente, essa última alternativa é a que condiz com a realidade. A separação pode demorar muito para acontecer mas uma hora ela vem; e provavelmente nos comunicaremos apenas até que nos habituemos com a ausência mútua, e depois cada um seguirá seu caminho e o que restará serão apenas algumas fotografias, que com o tempo vão ficando amareladas dentro da gaveta.

E hoje, arrumando uma dessas gavetas, e jogando fora algumas coisas que estão por aqui ocupando espaço, encontrei este cordão.
Hoje o meu grande desejo seria reencontrar ou pelo menos ter notícia dessa minha 'melhor amiga'.
É, pode ser que um dia agente tenha um reencontro em alguma esquina desse Brasilzão, ou quem sabe desse planetão.

Mas enquanto esse dia não chega, meus nobres leitores, o que você acham que eu devo fazer com o cordão ?
Jogar fora, pra futuramente evitar momentos nostálgicos como esse de hoje?
Ou guardar, pra mostrar pra ela quando nos encontrarmos, e dizer que todo este tempo eu sempre lembrei dela?

E então, guardo, ou jogo fora?
Eu já me decidi!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

♪ ♫

Eu não sou fã desesperada de nenhuma banda e de ninguém, mas se eu acreditasse em reencarnação, acho que seria uma boa vir na pele de Samuel Rosa ou Nando Reis. Admiro muito uma pessoa que tem inspiração pra compor uma música como essa, se liga no som:



...mas quando eu estiver morto, suplico que não me mate não, dentro de ti...

sábado, 24 de outubro de 2009

E passa mesmo...




Há muito tempo atrás escrevi no celular uma mensagem para que todas as vezes que o ligasse, lesse: TUDO PASSA. Eu escrevi na esperança de que tudo, em algum momento, passasse. Uma vez li que mandar mensagens para o cérebro o ajudaria a entender e repassar a ideia do que se queria. Foi o que fiz. A cada vez que ligo o celular, as duas palavras aparecem com toda força, PRECISAS. Alguém um dia me disse que, na pior das hipóteses, tudo passa, o que se tornou muito útil nos dias e noites de tormenta, porque além de mantra virou esperança. E esperança, como se sabe, nunca morre. Hoje eu liguei o celular e lá estava a mensagem. E eu chorei com um pouco de alegria e um pouco de tristeza porque pela primeira vez entendi que TUDO, afinal, PASSA.


quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Confesso [1]

Confesso que eu vivo confessando algo, hehe

Confesso que meu dia tá super corrido, e eu adoro isso, sério mesmo, depois de tanto tempo ócio, nada como não ter tempo pras obrigações diárias.

Confesso que AINDA não fui no Salão do Livro (Salimp), e hoje quando me perguntaram se já fui fiquei morrendo de vergonha. =/

Confesso também que eu não estou dando a atenção devida ao blog, tanta gente interessante aparecendo por aqui e eu sem tempo pra retribuir uma visita.

Confesso que eu não sabia que uma simples declaração iria fazer tanto furdunço.

Confesso que quando eu aprender a colocar os seguidores pra aparecer na página eu coloco. rs

Confesso também que detesto gente feia (leia-se: barangas, invejosas, mecheriqueiras, amigas de ex, atuais de ex, atual de atual etc..... =P

E...

Confesso que tô super cansada agora, mas que tô louca pra ir tomar uma cervejinha gelada! Alguém mais?
Beijomeliga!

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Mentiras.


Essa é a parte mais curiosa da personalidade das pessoas: Mentir? Não mentir? Por quê? Omitir? Acha que está certo ao mentir? Sabe que está errado e continua mentindo? Mente mas se arrepende no segundo seguinte?

Ahh, eu adoro saber. Ainda mais porque tenho um caráter meio peculiar nesse aspecto. Adoro pegar uma pessoa na mentira, ver a cara da pessoa sabe.
O que leva uma pessoa a mentir? Até onde essa mentira afeta o resto da teia? Vantagens, desvantagens... tensíssimo essa história de mentiras.

Como detectá-las? Melhor, devemos detectá-las? Ou devemos nos moldar a essas mentiras? Acreditar piamente nelas, de modo que virem verdades? Devemos nos acostumar com as pessoas mentirosas a nossa volta? Devemos fazer vista grossa? E em qual grau de pecado enfiar a mentira? O quanto uma pessoa está fudida quando você descobre uma mentira dela?Acho que cada um faz do jeito que quer de acordo com o tamanho do seu incômodo.
Aliás, tudo depende. O jeito de que você vai julgar uma mentira ou a pessoa que mentiu só depende do seu critério de aceitação (ou não) para mentiras e mentirosos.

Mas o fato é que todo mundo já mentiu uma vez na vida. A diferença é que existem pessoas que vivem disso: mentir, blefar, omitir, exagerar, diminuir, contornar... Constroem suas vidas em cima de frutos da sua imaginação e falsidade. Pode até perecer bonitinho pra quem é assim. Mas é nojento de se ver. Porque a mentira é assim: depois que você descobre uma, não para de sair mais de onde essa veio. Quem mente um pouco, mente sempre. E quem te descobre uma vez, tem o dom de te deixar nu moralmente muitas outras.
Porque quando você está mentindo, está vestido, está mascarado, está fantasiado. Mas quando te descobrem... Ahh meu amigo. Você fica nu! Fica liso. Puro (só no sentido físico mesmo viu, no sentido de cara limpa).

Faz assim: Mentiu? foi descoberto? Então assume meu, dane-se; fala a verdade. Assume teu erro, medo de quê? Muito melhor, você vai se sentir melhor, claro que virão as conseqüências, mas depois TUDO PASSA, até a uva passa. Relaxa.

E agora me diz uma coisa, qual será a fórmula mágica pra saber quando estão mentindo???

Humm... sei não, mas acho que isso é coisa de percepção, e esse dom acho que nasci com ele.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Aos ilustres, com carinho.

Bem... como começar ? Do começo ne...

Eu tive que apagar um post, onde eu apenas parabenizei uma pessoa especial, por algo que almejava há muito tempo, mas por ter feito um post meio que pessoal demais, embora muito pequeno, acabou gerando fofoquinhas, e por isso... achei melhor apagar, embora a pessoa em questão tenha dito que está 'cagando e andando pra fofocaiada'...

Eu não sabia que tinha tanta gente desocupada falando da vida alheia, e muito menos sabia que esses ilustres 'andavam' por aqui, por este blog.
Ja que agora sei, não posso deixar de agradecer:
Vocês não sabem o quanto eu agradeço por vocês serem tão ridículos, ignorantes, fracos, infelizes e INVEJOSOS. É muito bom passar por cima de vocês.

E a vocês, meu mais puro escárnio, do fundo do meu coração.
Vão se phoder!

Obrigada!

sábado, 17 de outubro de 2009

CHARGE







Do Jornal A Gazeta

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

50%

A grande dificuldade e beleza da escolha está nas incertezas e no famoso "e se?".
Se
as coisas fossem fáceis de premeditar e se as conseqüências dos nossos atos não nos amedrontasse tanto, talvez fazer escolhas não teria muita graça.

Se eu soubesse que, escolhendo determinada profissão eu estaria trabalhando em determinadolugar dali 10 anos, com dois filhos e um marido, qual seria a verdadeira graça desses 10 anos? Eu já sei onde vai dar, por que tentar então? Pior ou melhor? Com certeza seria melhor saber se eu estaria trabalhando no mesmo lugar, sem namorado, alimentando gato e escrevendo sobre a vida da high-society imperatrizense. Aí eu tentaria outra coisa desde já e essa sabedoria futura seria bem positiva... \o/

Eu fui pifando nesse início de ano. Pifando e pirando. Aqueles famosos pensamentos "o que vou fazer da vida", "o que vou ser", "aonde vou parar", "por quê?" estão me perseguindo bastante nos últimos dois meses. As vezes eu me vejo não conseguindo lidar com situações simples do dia-a-dia. Tenho responsabilidades a cumprir e simplesmente não levanto um dedo pra cumpri-las. E não faço a mínima idéia das razões que me levam a isso.

A solução está sendo encarar as escolhas como caminhos que possuem 50% de chance de darem errado e 50% de chance de darem certo. E isso se aplica a tudo na vida. É por essas e outras que a gente tem que parar de se crucificar por tudo de errado que escolhemos ou fazemos. Afinal, a coisa é bem matemática: metade daquilo pretendia ao erro. Isso é muita coisa, oras bolas.
Tá que é fácil falar e tal, mas não custa ficar meditando e refletindo essa teoria pra que o ressentimento de ser o ÚNICO responsável pelos seus erros diminua um pouco.
Agora, pensar que quase nada na vida é definitivo e que, se algo não dá certo saber que é possível voltar atrás, vale sim a pena.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Carta de amor

"Meu bem,

Há três dias aquele caroço de alguma-coisa jaz no chão do banheiro. Aquilo parece uma barata. Eu entro no banheiro, e, mesmo antes de acender as luzes, vejo o troço no chão e acho que é uma barata. Sempre levo um susto. Você ia gostar se eu deixasse uma azeitona preta dentro da sua caneca preferida e você achasse que era um cocô de bode? Por que você não tirou o negócio de lá ainda? Isso é típico seu: sair pela casa espalhando as coisas como se elas fossem perfume, por mais horrendas que sejam.

Outro dia cheguei tarde e você ainda não tinha dado um jeito nas toalhas molhadas. Você sai do banho, usa todas as toalhas disponíveis e joga tudo no chão! Emboladas, ainda por cima. Você podia pelo menos estendê-las no chão, pra secar mais rápido. Mas NÃO! Eu chego e elas estão úmidas. O pior é que eu sempre acho que elas estão úmidas de suor, porque você aprendeu com aquela sapa da sua mãe a enxugar a testa toda hora com qualquer toalha que aparece na frente. Credo!

Um último lembrete: tem suco de uva na geladeira, daquele que você gosta. Eu comprei. Mas peloamordeDeus não vá fazer baderna na cozinha, porque você adora abrir os sucos e, sem óculos, por causa dessa miopia idiota, você sai pingando metade da garrafa no chão, sendo que a Raimunda acabou de encerar o piso. Tem biscoito também, mas não come tudo porque eu quero experimentar!

Nos vemos mais tarde, deixe a casa em ordem; um beijo eu te amo."

________________________________

Não, não é meu esse texto, achei em algum lugar perdido no mundo da internet, não lembro onde, se eu soubesse eu até colocaria o nome do autor, mas não sei... Enfim, resolvi postar aqui, porque hoje acordei muuuuito romântica.

Hora do cafézinho blogueiro acabou, to indo fazer algo útil agora . Uma boa semana pra todos!

domingo, 11 de outubro de 2009

A vida é frágil

Hoje fui fazer uma visita ao avô de uma falecida amiga; por causa dela eu me acostumei a chama-lo de vô. Sempre que posso vou lá bater um papo com ele. Levei um baita susto quando, ao sentarmos para conversar, percebi que ele esqueceu de muitas coisas, principalmente que sua neta(minha amiga) faleceu há 4 anos, ele perguntou para onde nós iríamos e se ela iria dormir na minha casa; disse que eu sou a única amiga em quem ele confia para sair com ela.

E com os olhos cheios de lágrimas me dei conta de como nossa vida é delicada. Não interessa o quanto a tecnologia avance, o quanto os médicos aprendam e o quanto o homem explore o universo (ou uma pequena parte dele), sempre irá faltar alguma coisa.
A ciência só avança e não percebemos que os problemas estão na simplicidade da vida.

Seu Marcone (76 anos)perdeu a memória e não tem quem o faça achar.
Como se fosse um rascunho, um texto feio que ninguém quer, pegaram uma borracha e apagaram a vida dele. Pelo simples fato de que acontece. Acontece e ninguém pode fazer nada. É normal? Eu não consigo achar normal... É estranho pensar que os todos os seus momentos ele irá esquecer pouco a pouco, se perdendo no cotidiano, indo embora exatamente como veio ao mundo: sem saber de nada! Altamente dependente e perdido entre tantos adultos.
A vida é frágil e absurda.

Quem realmente sabe o que será do amanhã?

Mas ele perdeu a memória, não os ensinamentos. E quando eu já estava indo embora, seu Marcone levantou-se de sua cadeira e disse:
"Ô minha filha, só tome cuidado com esses rapazes. Voce tem que saber em que família está entrando...E além do mais, hoje em dia a mulher é tão independente!...Você sabe que homem é só enfeite..."

"Eu sei vô.Eu sei."

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Mudança de vida...

(F) Deane diz:
Oii.. msn novo?

(:)) Adriana - nova fase de vida diz:
pois é cara, novo ciclo sabe, to iniciando uma nova fase, resolvi fazer tudo novo, de novo.. ahsuahsa. Msn novo, orkut novo rsrsrsrsrs

(F) Deane diz:
legal... então... muitos projetos pra nova fase?

(:)) Adriana - nova fase de vida diz:
projetos?como assim?

(F) Deane diz:
:
(carinha de espanto do msn)

-----------------

As pessoas ficam tão, sei lá, malucas?que acham que começar uma vida nova é fazer um novo perfil no orkut e mudar de msn?

Sei sei...
Tudo bem, eu até acho que vale, desde que a pessoa mude de provedor também, hehe.

É cada uma! Cada dia tenho mais certeza de que meus amigos são todos loucos mesmo, muuuuito sem noção! Bj Drica! Boa sorte nessa nova empreitada... rs

Não, não sou amiga da onça, claro que escrevi com a permissão dela. =]

terça-feira, 6 de outubro de 2009

E a culpa, é de quem?

Outro dia eu tava em um lugar desses qualquer pela imperosa bebendo cervejinha com uns amigos, quando um homem entrou pra pedir dinheiro, cena muuuuito comum.O homem tinha dificuldades na fala, trajava a camisa da seleção (dessas que a gente usa sempre... sempre que o Brasil ganha a copa ou algum jogo).
Ele parou na nossa frente e disse que podia estar matando ou roubando, mas não era "cabra safado", então estava ali pedindo a nós cidadãos brasileiros como ele, que ajudassem-no a comprar um 'cafezinho', mas eu já disse que isso é uma cena comum e não foi o que me trouxe aqui.

Na mesa ao nosso lado estava sentada uma senhora bem-vestida, fumando e bebendo cerveja, ela fez vista grossa ao ver o homem entrar e reclamou ao me ver dar dinheiro a ele. Ela argumentou que o dinheiro que eu tava dando seria para a compra de drogas. Eu deixei bem claro que eu sabia da existência dessa possibilidade, mas era bem melhor que eu desse o dinheiro voluntariamente, antes que ele resolvesse matar ou roubar. Puxa vida! Eu raramente dou dinheiro pra aguém assim na rua, até sou contra isso, sério; é um baita de incentivo pra ele continuar pedindo, mas puxa, justamente no dia que dou uma grana pra alguém, tem uma pessoa do lado pra me recriminar? Aff.

Ela retrucou dizendo que é tudo culpa do governo, que não dá educação nem emprego aos "menos favorecidos"
PQP, mania desgraçada de todo o mundo de sempre colocar a culpa no governo, é como diz o ditado popular: Errar é humano, colocar a culpa nos outros é estratégico, colocar a culpa no governo é invenção brasileira.
Eu pensei em mostrar a mulher essas coisas que ela com certeza tá acostumada a ver na tv no intervalo das novelas de que o governo é uma vergonha mesmo, mas quem escolhe somos nós, (menos no Maranhão)que o governo é o reflexo dos cidadãos, de que você tem que votar consciente e todo esse blá blá blá, ou ainda que nós somos a maioria, se nós quiséssemos poderíamos sim mudar o nosso governo[/comunista revolucionária], mas me resumi a falar que "é bem mais prático colocar a culpa no governo mesmo, afinal somos nós quem os colocamos lá, se eles não fazem o que devem fazer, tem que servir pra alguma coisa e que essa coisa seja levar a culpa por tudo, ora bolas".
...se bem que, se fosse ver por esse lado; nós maranhenses seríamos os únicos no país a poder reclamar do governo, já que não fomos nós que colocamos lá; votamos em um, e 'somos governados' por outro... Hum.. mas isso já é outra história... assunto de gente grande, nem me meto.


Voltando, a mulher não gostou, se levantou e disse que eu sou muito jovem pra entender, que sou cega e não consigo ver a realidade, mas que um dia eu enxergaria tudo. Eu só pude responder a ela que eu não sou cega, sou míope, e a culpa disso nem é do governo. Tudo bem, como recebi uma boa educação dos meus pais, eu não ia ficar dando 'respostas' ou discutindo com uma senhora de idade né.

Brasileiros, principalmente maranhenses, se acostumam facilmente com qualquer coisa. É normal ver notícia de desvio de dinheiro, roubo, CPI, é normal desembolsar dinheiro pra pagar impostos e mais impostos, é normal ver escola pública sem professor ou professores em greve, polícia em greve, é normal ver muita gente fazer merda por aí, mas eu nunca vi ninguém se mobilizar, nunca vi ninguém se levantar e gritar 'ô mano, isso aí tá errado, não é assim que a banda toca'.

Eu queria ter sido jovem era naquele tempo, em que a galera se pintava de verde-amarelo e iam pras ruas gritar pelo que queria: Diretas Já, Fora Collor, \o/ etc. Mas não, sou do tempo em que a galera faz manifesto pela internet. Vejo e leio em muitos blogs por aí, a galera fala, fala, protesta, protesta; escrevem coisas e mais coisas em seus blogs, mas tipo assim, não passam disso. Não fazem nadaaa.
Nem eu, que tô escrevendo isso tudo. Agora já chega porque eu sei que esse texto aqui vai ter tanta importância quanto um horário eleitoral ou algum manifesto via online.

Obs.: Depois da mulher sair do meu lado e ir embora pra sempre da minha vida, um rapazinho com cara de revolucionário, desses que usam barba e boina pra parecer o Fidel, sentou do nosso lado. Pouco tempo depois um garotinho de no máximo 10 anos entrou com a mesma finalidade do homem. O rapaz ao meu lado comentou que o garoto não tinha nenhuma perspectiva de futuro e eu disse que o povo sempre culpa o governo por essas coisas.
Ele concordou... Com o povo.
Queridos rapazinhos-revolucionários-de-vitrine, parem de fingir que estão lendo o manifesto comunista. Lembrem do que a tv senado diz todos os dias nos seu programa engajadinho: os jovens são o futuro dessa nação.

Eu nem gosto de falar ou escrever sobre essas coisas, porque quando começo, eu até me empolgo, e quem sabe a senhora lá tem razão, sou muito jovem pra entender essas coisas...

Parei, agora é sério.
Beijonãomeliga! =P

domingo, 4 de outubro de 2009

Por que as letras no teclado não seguem a ordem alfabética?

Bom dia galerinha, dominguinho tranquilo, sem nada muito interessante pra fazer, antes de ir bater perna por aí, trouxe um texto maneirinho procês...

"Acredite se quiser, mas o teclado que usamos hoje - conhecido como QWERTY (por causa das seis primeiras letras na fileira superior, na mão esquerda) - foi escolhido por tornar a digitação mais lenta. Isso aconteceu porque as primeiras máquinas, de tecnologia rudimentar, travavam os tipos quando a datilografia era muito rápida. Quando o impressor americano Christopher Latham Sholes (1819-1890) inventou a máquina de escrever, em 1868, tentou ordenar as letras em ordem alfabética - como acontece na segunda fileira, onde temos uma seqüência quase completa: DFGHJKL. As mudanças de posição foram feitas para forçar o datilógrafo a bater as teclas numa velocidade adequada, sem embaralhar os tipos. Por isso, o E e o I, duas das letras mais freqüentes na língua inglesa, foram retiradas da segunda fileira, a mais acessível. A letra A, outra das mais comuns, ficou relegada ao dedo mínimo esquerdo, o menos hábil de todos.

Em 1932, depois de 20 anos de estudo, August Dvorak, também americano, criou o teclado que leva o seu nome, extremamente eficiente para língua inglesa: 3 000 palavras podem ser escritas com as letras da fileira principal (contra 50 no teclado QWERTY) e a mão direita é a mais usada. Alguns fabricantes chegaram a realizar competições entre os dois teclados para determinar qual era o melhor. Infelizmente, o datilógrafo que usou o QWERTY havia memorizado o teclado inteiro, enquanto o outro ainda catava milho. Por conta disso, o QWERTY acabou se tornando padrão industrial e assim permanece até hoje."

Tirei daqui

Sei sei, meio tosca a notícia, mas em tese é bem interessante, acho que todo mundo já se perguntou por que diabos tem "qwer" e não "abcd" na primeira fila...

É isso aí, bom domingo pra todos!
Beijomeliga" =)

sábado, 3 de outubro de 2009

Melhor esperar a segunda impressão...

Você admira alguém que não conhece? Ou não gosta uma pessoa com quem nunca trocou uma palavra sequer? Algumas pessoas respondem a essas perguntas com um não e essas são pessoas que eu realmente admiro. Até porque são raras, muito raras.

A gente aprende desde cedo que julgar é errado. Afinal, "não julgarás". Mas isso é praticamente impossível. É o mesmo que pedir pra alguém deixar de se agasalhar quando sente frio ou fechar os olhos ao espirrar. É humano. Julgar, querendo ou não, é humano. Alguns julgam mais, outros menos. Outros julgam errado, alguns julgam certo...

Exemplo. Eu estou sentada num barzinho, na roda de amigos, e a namorada nova de algum deles fica com cara de pum a noite inteira e mal troca duas palavras comigo e com o resto da mesa eu logo a acho antipática. Antipática, mal-humorada, esquisita. E, óbvio, não digna do meu amigo, claro.
A surpresa é ela me adicionar no msn no outro dia, dizer que pegou meu msn com a galera, ela me envia um email com um link pro site do filme novo que comentei na noite anterior e um "Espero que goste, foi bacana demais conhecer você ontem. Espero que saiamos mais vezes". Isso me surpreendeu, sério; e até senti um peso na consciência em ter pensado o que pensei dela.
Agente até se esbarra depois, conversamos, e no papo confesso a ela que, a priori, a achei emburrada e chata. Ela ri e diz que, naquele dia, o cachorrinho dela havia morrido e ela estava realmente triste. Aí a gente ri junto, conversa sobre bichos, outras cositas e bla-blá-blás.
Pronto, taí.. ganhei uma nova amiga, super gente-fina.

Tudo bem que tive motivos pra não gostar dela de cara, mas taí outro erro, todos temos maus momentos; então melhor dar um tempo antes de julgar. Inté bom falar isso porque já aconteceu comigo também, muitos amigos já me disseram que não gostaram de mim logo de cara, mas que hoje me consideram muito.\o/ Não sei, pelo menos dizem, hehe. Tenho muitos outros exemplos, mas isso não vem ao caso, o importante é passar a mensagem, a famosa moral da história.


Acho que, conforme a gente vai amadurecendo, vai aprendendo a julgar menos as pessoas. Comigo mesmo foi e é assim. Hoje em dia eu espero bastante antes de tecer algum comentário com um amigo do lado ou até me deslumbrar imediatamente com algo ou alguém. E até que tenho conseguido. rs

A gente vai ficando mais vacinado, né? Vacinado e acho que humilde também. Bacana!!!

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

No chão do meu banheiro



No chão do meu banheiro aconteceu uma cena das mais dramáticas.
Perto do tapete meio encardido, perdidas na imensidão lisa da cerâmica fria e branca, duas formigas esbarravam na linha que separa a vida da morte. Ou melhor, uma já estava morta. A outra é que não sabia o que fazer com o cadáver que a perturbava; pobrezinha, percorria a cerâmica inteira numa velocidade que eu nunca vi em formigas, desesperada, pegava o corpo morto da outra, trazia mais para perto da outra cerâmica, soltava o corpo, depois voltava, e ia de novo. Talvez chamasse por mais outras, mas ninguém veio.
Devia estar roída por dentro, toda envolta na dor da perda.
=/

Foi uma cena muito triste, não aguentei ver tanto sofrimento e pra acabar com aquela dor, pisei em cima dela.
Tão humanas, as formigas. E nós, tão elas.