quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

quer saber mesmo?

Você encontra um amigo ou conhecido em algum lugar, e essa pessoa te cumprimenta:
-Oi tudo bem?

E por uma fração de segundos você pensa em falar: "Oi, jura, quer saber mesmo?Olha, já que você perguntou, não ta tudo bem não, espero que melhore logo, quero ter logo aquele meu sorriso espontâneo, divertido e sincero de sempre, mas por enquanto num tô muito legal não, tá rolando umas coisas sabe..."

Mas aí, na mesma fração de segundos você volta a si, sabe que a pessoa só está sendo educada, dá aquele sorriso amarelo, pensa bem e na verdade mesmo só responde:
-Comigo? Tudo ótimo! E com você?

A outra pessoa - com o sorriso mais amarelo ainda - demora alguns segundos pra responder:
-Comigo, tudo às mil maravilhas!

E cada um segue seu caminho...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

fast food, please!

Em conversa com os amigos nesse fim de semana, o que mais falamos foi sobre a rapidez com que as coisas acontecem, o 'tudo ao mesmo tempo', o mundo fast food.
Dizem que o bom da globalização é que tudo acontece ao mesmo tempo, e claro,
estamos acostumados ao mundo imediato, em que tudo acontece rapidamente, a agilidade é a regra. Relacionamento relâmpagos, praça de alimentação com comida pronta, internet banda larga, simples trocas de sms e você já tem um programa agendado. A menina que conheceu o cara mês passado está grávida; o casamento que durou apenas três meses.
Notícia em tempo real, o trem-bala, o miojo que fica pronto em 3 minutos, quase tudo vai pro microondas, banhos rápidos pensando em economizar tempo,
isso e mais inúmeras coisas que nos fazem ter pressa, rapidez. Tudo para otimizar o tempo e fazer valer os minutos do dia.

Tudo é fast food. Vivemos em um mundo de consumo imediato. Ah, se a pizza que você pediu demorar mais de trinta minutos, você não precisa pagar! Vocês viram o comercial do novo fogão que agiliza para a metade o tempo de cozimento das coisas? É... o imediatismo também chegou às relações. Podemos ter alguém por algumas horas. Eita, e se der crise de consciência? Ah, isso se tiver, rapidinho passa. Atualizações curtas, bem curtas, de alguns caracteres, e pra completar, TUDO abreviado. Leu! Acabou! Claro né, não dá tempo de ler muita coisa.
Dor de cabeça? Queremos remédio de ação imediata. Emagrecer da noite para o dia, carnaval já tá pertinho, queremos ficar sarados em poucos dias. Ah, não dá tempo? Faz uma lipo!

Queremos entrar e acabar logo a faculdade, cinco anos fazendo faculdade? Tá louco, tem uma ali que dá diploma com apenas 3 anos. E com isso queremos arranjar um emprego logo, e se possível uma promoção bem rápida, afinal, aqueles três anos na faculdade tem que servir pra alguma coisa.

Há quem diga que o mundo deve ir mais devagar, adotar o movimento slow food, slow living, slow dating, slow writing. Tudo com mais calma, para apreciar melhor a familia, os momentos, os amigos, as dádivas recebidas, reconhecer porque tomou aquelas pauladas... com calma. Digerindo, apreciando, devagar, devagarinho.

Não sou contra nada disso. Nem de ir rápido e querer mais e mais. Muito menos de pedir para irmos mais devagar, sem tantas necessidades. Quero tentar me encaixar nesse mundo... ora rápido, ora devagar. Em que me perco e me acho, com tremenda agilidade.
Mas por que será que se eu não estiver correndo na esteira, tenho a sensação de estar perdendo tempo? Por quê que, apenas caminhar dá a impressão de que não tá valendo a pena? Temos que correr sempre? Fica a pergunta no ar.

Agora, de imediato vou terminar esse post, já pensando no próximo, e desculpem se o texto não ficou muito bom, eu estava com pressa!
Beijinho doce procês, do tipo selinho, que é mais rápido!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Apenas para refletir

Década de 30:

Ele, de terno cinza e chapéu panamá, em frente à vila onde ela mora, no meio da noite, em serenata com os amigos, canta: “Tu és, divina e graciosa, estátua majestosa! Do amor por Deus esculturada. És formada com o ardor da alma da mais linda flor, de mais ativo olor, que na vida é a preferida pelo beija-flor....”

Década de 40:

Ele ajeita seu relógio Pateck Philip na algibeira,escreve para Rádio Nacional e manda oferecer a ela uma linda música: “A deusa da minha rua, tem os olhos onde a lua,costuma se embriagar. Nos seus olhos eu suponho, que o sol num dourado sonho, vai claridade buscar”.

Década de 50:

Ele pede ao cantor da boate que ofereça a ela a interpretação de uma bela bossa: “Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça. É ela a menina que vem e que passa, no doce balanço a caminho do mar. Moça do corpo dourado, do sol de Ipanema. O teu balançado é mais que um poema. É a coisa mais linda que eu já vi passar.”

Década de 60:

Ele aparece na casa dela com um compacto simples embaixo do braço, ajeita a calça Lee e coloca na vitrola uma música papo firme: “Nem mesmo o céu, nem as estrelas, nem mesmo o mar e o infinito não é maior que o meu amor, nem mais bonito. Me desespero a procurar alguma forma de lhe falar, como é grande o meu amor por você....”

Década de 70:

Ele chega em seu fusca, com tala larga, sacode o cabelão, abre porta pra mina entrar e bota uma melô jóia no toca-fitas: “Foi assim, como ver o mar, a primeira vez que os meus olhos se viram no teu olhar.... Quando eu mergulhei no azul do mar, sabia que era amor e vinha pra ficar....”

Década de 80:

Ele, encantado pela beleza da moça, telefona pra ela e deixa rolar um: “Fonte de mel, nos olhos de gueixa, Kabuqui, máscara. Choque entre o azul e o cacho de acácias, luz das acácias, você é mãe do sol. Linda mais que demais, você é linda sim....”

Década de 90:

Ele liga pra ela e deixa gravada uma música na secretária eletrônica: “Bem que se quis, depois de tudo ainda ser feliz. Mas já não há caminhos pra voltar. E o que é que a vida fez da nossa vida? O que é que a gente não faz por amor?”

Em 2001:

Ele captura na internet um batidão legal e manda pra ela, por e-mail: “Tchutchuca! Vem aqui com o teu Tigrão. Vou te jogar na cama e te dar muita pressão! Eu vou passar cerol na mão, vou sim, vou sim! Eu vou te cortar na mão! Vou sim, vou sim! Vou aparar pela rabiola! Vou sim, vou sim”!

Em 2002:

Ele manda um e-mail oferecendo uma música: “Só as cachorras! Hu Hu Hu Hu Hu! As preparadas! Hu Hu Hu Hu! As poposudas! Hu Hu Hu Hu Hu!” O baile todo Hu Hu Hu Hu! Pula sai do chão esse é o bonde do tigrão... .... tá dominado, tá tudo dominado ebaaaa, tá dominado, tá tudo dominado!!!!

Em 2003:

Ele oferece uma música no baile: “Vou mandando um beijinho pra filhinha e pra vovó, só não posso esquecer da minha eguinha pocotó, Pocotó pocotó pocotó...minha éguinha pocotó!!!”

Em 2004:

Ele a chama p/ dançar no meio da pista: “Ah! Que isso? Elas estão descontroladas! Ah! Que isso? Elas Estão descontroladas! Ela sobe, ela desce, ela da uma rodada, elas estão descontroladas! Não pára, não pára, não pára não, não pára não pára não pára, até o chão.. chão, chão chão...."

Em 2005:

Ele resolve mandar um convite para ela, através da rádio: “Hoje é festa lá no meu apê, pode aparecer, vai rolar bunda lele, hojé é festa lá no meu apê, tem birita até o amanhacer..."

Em 2006:

Ele a convida para curtir um baile ao som da música mais pedida e tocada no país:“Tô ficando atoladinha, tô ficando atoladinha, tô ficando atoladinha!!! Calma, calma foguetinha!!! Piriri Piriri Piriri, alguém ligou p/ mim... Quem é? Sou eu bola de fogo e o calor tá de matar, vai ser na praia da barra que uma moda eu vou lançar. Vai me enterrar na areia? Não, não, vou atolar..."

Em 2007:

Ele coloca um toque no celular dele, e quando ela telefona toca essa: "Quando ela me vê ela mexe, piri, piriri, Piriri piri Piriguete, Rebola devagar depois desce piri, piriri, Piriri piri Piriqueguete.."

Em 2008:

Ele manda um depoimento no orkut da gata,com o link para um vídeo do youtube: Pra dançar créu tem que ter disposição, pra dançar créu tem que ter habilidade, eu venho te lembrar que ela não é mole não, eu venho te falar que são cinco velocidades. A primeira é devagarzinho, é só aprendizado hein: Créeeuuuuuuu créeeeuuuuuuuuuuuu, créeeeuuuuuuuuuuuuuu....

Em 2009:

Ele atualiza o Twiter , mas só tem 140 caracteres pra dizer, usando a música mais tocada do país, grande sucesso da novela das oito: vc não vale nada mais eu gosto de vc,vc não vale nada mais eu gosto de vc. tudo q eu keria era saber pq,tudo que eu keria era saber pq.


Aguardemos a música que fará sucesso esse ano!

recebi por email, atualizei de 2007 pra cá.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

salto da Ponte Dom Afonso vira notícia em nível nacional

Além de grande repercussão em Imperatriz, caso Ronald vira notícia em nível nacional, e foi matéria ontem, no Jornal do Sbt:




Quase cinco dias depois, o corpo ainda mão foi encontrado. Esperamos que, apesar de lamentável, este caso sirva de exemplo para quem pensa nesse tipo de divertimento.
E para a família, sabemos que a para a dor não existe palavras para expressá-la. Por isso, o melhor jeito de consolar é falar pouco, orar junto, sentir junto e marcar presença, cada um da forma que sabe.


domingo, 10 de janeiro de 2010

"Não tenho fé suficiente para ser ateu"

Idéias com o objetivo de destruir a fé cristã sempre bombardeiam os alunos do ensino médio e das universidades. Este livro serve como um antídoto excepcionalmente bom para refutar tais premissas falsas. Ele traz informações consistentes para combater os ataques violentos das ideologias seculares que afirmam que a ciência, a filosofia e os estudos bíblicos são inimigos da fé cristã.

Antes de tocar a questão da verdade do cristianismo, essa obra aborda a questão da própria verdade, provando a
existência da verdade absoluta. Os autores desmontam as afirmações do relativismo moral e da pós-modernidade, resultando em uma valiosa contribuição aos escritos contemporâneos da apologética cristã.

Geisler e Turek prepararam uma grande matriz de perguntas difíceis e responderam a todas com habilidade. Uma defesa lógica, racional e intelectual da fé cristã.

Norman Geisler
Editora Vida

**************
Ganhei este livro de presente hoje, da minha grande amiga Luciana; na verdade depois de uma pequena pressão, porque prometer coisa pra mim é o mesmo que prometer coisa pra criança...
Não vou tecer comentário sobre o livro ainda. Talvez depois que eu terminar eu escreva algo a respeito, já folheei bastante e acredito que terei uma boa leitura pela frente.

Antes de entrar no assunto principal do livro, o autor sente a necessidade de falar e questionar sobre 'o que é a verdade'; vou transcrever uma pequena parte, onde diz:


“...Existem muitas outras verdades sobre a verdade. Veja algumas delas:

*A verdade é descoberta, e não inventada. Ela existe independentemente do conhecimento que uma pessoa tenha dela (a lei da gravidade existia antes de Newton).

*A verdade é transcultural. Se alguma coisa é verdadeira, então ela é verdadeira para todas as pessoas, em todos os lugares, em todas as épocas (2 + 2 = 4 para todo o mundo, em todo lugar, o tempo todo).

*A verdade é imutável, embora as nossas crenças sobre a verdade possam mudar (quando começamos a acreditar que a Terra era redonda, em vez de plana, a verdade sobre a Terra não mudou; o que mudou foi nossa crença sobre a forma da Terra).

*Todas as verdades são verdades absolutas. Até mesmo as verdades que parecem ser relativas são realmente absolutas...”


***

É isso aí, volto depois pra falar do livro, vou começar agora, afinal, são mais de 400 páginas pela frente. Pra quem quer aprender a desenvolver o gosto pela leitura, deixo uma boa dica:

A repetição leva ao hábito, o hábito leva ao costume, o costume leva ao vício ou à vontade!


Abraço, e uma semana produtiva pra todos!!!


quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

da série, diálogos...


- Tenho que ir

- Não, você não tem que ir.
- Minha mãe tá me esperando...
- Pega o telefone, liga pra ela...
- Mesmo assim, eu não posso...
- Pode sim!
- Hum... tão seguro de si hein...
- [risos] Você vai ficar...
- E o que te dá tanta certeza?
- A escova de dentes na sua bolsa.


domingo, 3 de janeiro de 2010

ver jornal me deprime...

Todos sabemos que é de suma importância ser uma pessoa bem informada que sabe o que acontece em todos os cantos do mundo e também para que na roda de bate papo com os amigos você saiba discutir sobre os assuntos mais atuais. Tudo bem até concordo que a informação é super-mega importante. Saber o que está acontecendo no mundo também, mas eu acho que ver e ler jornal ta me fazendo ficar velha antes do tempo e o pior é que tem me feito muito mal ultimamente.

Depois do fracasso nos
tratados ambientais e de ver tantos casos de morte e pessoas desabrigadas por causa das enchentes, violência com brasileiros no Suriname, criminalidade, doenças, isso sem falar de notiícias ruins isoladas pelo país e pelo mundo; eu sempre fico alerta até demais. Sinto como se estivesse a dois segundos de uma catástrofe e não soubesse como agir. Por que sempre tem um risco iminente de alguma coisa ruim acontecendo e eu fico me perguntando o que será que está passando nos jornais, daí eu não consigo ficar sem ver/ler notícia. E quando alguém vem com aquela: "Nossa, esse mundo anda de pernas pro ar" Eu até já tenho uma teoria que diz: "Que nada o mundo sempre foi assim é que antes os jornalistas não eram tão bons ou não tinham tantos recursos pra transmitir as notícias ao vivo."

Parece meio estranho isso, mas ultimamente eu tenho feito a minha própria edição dos jornais, escolho as noticias que vou ler na internet, saio da sala quando passa alguma noticia ruim, e não pensem que to fechando os olhos à realidade não, só estou 'dando um tempo'; devo até ser a pessoa mais estranha do mundo que ao invés de chorar vendo novela ou filme, eu choro vendo jornal.

E como se de encomenda,
na última quinta-feira, 31 de dezembro, Boris Casoy, âncora do jornal da Band, quando fazia a abertura do jornal sem perceber que o áudio estava aberto, fez o seguinte comentário:
""Que merda... dois lixeiros desejando felicidades... do alto de suas vassouras... dois lixeiros... o mais baixo da escala do trabalho..”.

Frase dita aos risos, logo por quem sempre sem mostrou um
justiceiro implacável sempre disposto a apontar as 'vergonhas' alheias. Isso depois do jornal ter colocado a manifestação de carinho de dois garis que desejavam a todo país um Feliz Ano Novo, com saúde, dinheiro e felicidades. Como se essa frase só tivesse sentido se fosse dita por empresários ricos.
Hoje eu fui no youtube procurar o vídeo onde ele fala isso, e pra minha surpresa, já existe dezenas de vídeos com milhares de visualizações. Eu selecionei um pra colocar no blog, já editado, onde ele pede desculpas pelo que disse, e logo em seguida mostra a cena do jornal, veja aqui. Será que ele ganha o primeiro lugar no topfive amanhã?
Não sei, só sei que ISSO É UMA VERGONHA, e das grandes!