sábado, 12 de dezembro de 2009

Venalidade

Conheço uma mercadoria ideal - que nunca desvaloriza.
Que sempre tem cotação nos mercados do mundo.

Que nunca se esgota - por mais que se gaste.
Em tempos de paz, em tempos de guerra - sempre se vende a bom preço.

Vende-se e compra-se a peso de ouro essa mercadoria:
A consciência ...
Vende-se hoje a varejo, amanhã por atacado.
À vista, em conta firme... Em consignação, a prazo, em prestações...

Contra duplicata, letra de cambio, nota promissória...

Aluga-se, subloca-se, liquida-se... queima-se... torra-se periodicamente a preço reduzido...

Vende-se em hasta pública, ao correr do martelo do leiloeiro...

Dá-se até de presente - inteiramente de graça - por amizade e convenção social.

E (coisa espantosa!) por mais que se venda e revenda - está sempre à venda.

Sempre venal - a consciência humana...

Dá-se hoje por cem pratas - amanhã por mil - logo mais, por um milhão.
Dizem que o homem que vende a consciência é homem sem consciência. Pois, se a vendeu, como é que a teria?
E, no entanto, está errado! Quem vende a consciência ilude o comprador, fingindo vender o que não tinha. Vende cadáveres de consciência - não vende consciência viva. Consciência viva não se pode vender. Vende, como vende o açougueiro - vendedor de carne morta... safra de consciências é período de crise...

Consciência em leilão:

Dez pratas por uma consciência! Quem dá mais?...
Vinte pratas por uma consciência de trabalhador... de homem... de mulher - Quem dá mais?

Dez mil pratas por uma consciência de capitalista, de religioso - Quem dá mais?...
Um milhão de pratas por uma consciência de Iscariotes!.. Olhem que é pouco por uma legitima alma de traidor - Quem dá mais?...

***

Depois da milésima venda está a consciência tão gasta e exausta - que não resiste à milésima traficância. Enojada de si mesmo, nauseada da chaga ambulante - precipita-se ao abismo eterno...
A consciência venal...

Venalidade: Qualidade do que é venal.
Venal: 1. Que se vende; que se pode vender. 2. Fig. Que se deixa corromper ou peitar por dinheiro.

2 opiniões importantes:

Nina disse...

é isso mesmo. a gente não perde, não acha, não compra e não vende. minha mãe já dizia: a única coisa que não levam de nós é o conhecimento e a consciência limpa. é o principal.

Karina Kate disse...

Caraca, mandou muito bem. Todos nós temos como nossa propriedade a consciencia. Ela é única, só se pode perder quando toma vodka! haha
bjos

Postar um comentário

A leitura especializada é útil, a diversificada dá prazer!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.